Empreendedores brasileiros avaliam a relação comercial entre Brasil e Portugal

0
478

A facilidade da língua, a possibilidade de “porta de entrada” para o mercado europeu, a relação de irmandade e os incentivos fiscais são alguns dos atrativos que estão chamando a atenção de investidores e empreendedores brasileiros em relação a Portugal. O resultado disso é o crescente número de pessoas que buscam investimentos na terrinha.

Sobre o assunto, o Vida Portugal conversou com alguns empreendedores que estiveram na Web Summit – maior conferência de empreendedorismo, tecnologia e inovação do mundo, realizada na semana passada em Lisboa – e quis saber como eles enxergam a integração do mercado brasileiro com o português para a expansão dos negócios.

Na visão de João Zecchin, da Garupa, startup que combina caronas de motos, Portugal e Brasil não possuem a barreira do idioma, o que facilita e otimiza as relações entre os dois países. “Se a gente expandir aqui, a gente consegue ir para toda a Europa”, acredita o empreendedor.

Para Leonardo Frade, da Send4, startup que facilita o custo do frete para compradores online e e-commerces, o caminho mais fácil para alcançar toda a Europa é através de Portugal e o melhor meio para atingir a América Latina é através do Brasil. “A relação entre Brasil e Portugal deve aumentar muito nos próximos anos”.

António Portinho, CEO da TradeTools, ferramenta que permite a criação de materiais de comunicação para forças comerciais e Trade Marketing, está impressionado com a atmosfera digital que Portugal tem criado, atraindo assim investimentos de todo o mundo. “Venho para a Europa três vezes ao ano e eu senti mais hospitalidade aqui do que na Inglaterra, França ou na Alemanha”.

Daniel Dalcanale é outro empreendedor brasileiro que pretende levar seu produto para terras lusitanas. A Paperoff é uma plataforma para gerenciamento e organização de documentos empresariais que facilita e padroniza o processo de captura e digitalização, classifica os documentos e os armazena. “Sabemos que há uma afinidade cultural e vemos com bons olhos o mercado português. Nosso objetivo na Web Summit é abrir portas, conhecer pessoas e entender o mercado para que possamos comercializar nosso produto aqui”.

Fausto Vanin, um dos fundadores da POX, ferramenta que transforma a apresentação de uma aula em um momento de cocriação e participação da plateia, acredita que Lisboa é uma cidade acolhedora para o empreendedor brasileiro e ficou empolgado com a possibilidade de expandir os negócios para a Europa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here